Pular para o conteúdo principal

Fogo magnético -- Conto


01
Quando se ergueu do chão sentiu a perna esquerda mais pesada que a direita. Olhou de um lado para outro e não via nada além de um quarteirão de casas desocupadas; os sistemas do traje falhavam e retornavam. Ele tentou entrar em contato com o comando “celestial”.
_ Guardião 7000/02 pedindo auxílio._ disse ele tocando um pequeno dispositivo no capacete hermeticamente fechado. E continuou. _ Me desviei da rota, estou sem sistema de localização e navegação; todos os sistemas falhando, traje com pouca força para retorno.
A comunicação espaço-temporal era muito complexa, mas seus equipamentos sempre foram muito confiáveis; nunca o tinham deixado na mão, porém, alguma coisa havia saído errada no salto. Não sabia onde estava e precisava de todas as informações disponíveis para decidir que estratégia traçar.
Não havia comunicação sendo enviada de volta em resposta aos seus sinais; estava sem nenhuma comunicação com os outros. Tocou outro dispositivo no capacete e acionou a “M.R.L.D.T”, Mensagem Remota de Localização em Distância Temporal. Com aquilo o traje começava a repetir as últimas mensagens trocadas entre o comando celestial e ele, além de uma mensagem especial de localização atualizando a cada segundo todas as informações colhidas no ambiente ao redor. Temperatura, umidade, índice de carbono no ar, mapa topográfico da área baseado em imagem sônicas, ou seja, estabelecidas por sonar e outras coisas desse tipo.
De repente o traje recuperou parte de sua energia e a tela de controle da unidade retornou; era um visor de reprodução ocular colocado no elmo; um equipamento que projeta e mostrar todas as informações relativas ao traje de viajem espaço-temporal sob a superfície dos olhos. Informações tais como quantidade de energia, sistemas operantes e reservas, armamentos; algoritmos de viagem, ou seja, números relativos ao tempo desde a partida, previsão de chegada, tempo de desvio no caso de se perder no tempo, sinais vitais do guardião; nome dado ao traje, sinais vitais do ocupante do módulo guardião; coeficiente de arrasto do tempo, que é a velocidade necessária para acionar a viajem; distância do ponto de origem e uma infinidade de outras informações muito mais técnicas e específicas.
Um retalho de comunicação foi restabelecido e ele ouviu a mensagem do comando que foi enviada através do tempo até alcançá-lo.
_ Estamos rastreando sua posição guardião 7000/02, mas temos dificuldade de receber as informações do traje, telemetria quântica falhando, estamos tentando restabelecer remotamente os danos sofridos por você; seu projetor ocular está funcionando?
_ Sim senhor._ respondeu enquanto se colocava de pé novamente.
Geralmente naquelas missões o traje era capaz de suportar toda a força feita quando do rompimento das barreiras temporais e o tele-transporte era feito de forma relativamente suave, mas não tinha sido aquilo o que aconteceu daquela vez.
_ Nos passe o relatório.
A projeção ocular estava mostrando dados totalmente diferentes do que era para ser mostrado, mas a primeira providência a tomar era relatar tudo e manter a calma, afinal, era um soldado treinado para situações extremas.
O visor mostrava os seguintes dados:
--Ano atual: 2011. Ano da partida: 7000. Ano da chegada: 6997
--Localização: continente sul-americano; país Brasil; estado Rio de Janeiro.
--Distância do ponto de origem: 4989 anos.
Aquelas informações foram passadas por ele ao comando e já sabia que tinha se metido numa grande encrenca; a missão consistia em viajar do seu ano atual que era o ano de 7000 d.C e voltar três anos no tempo até o ano de 6997 d.C para averiguar uma seqüência de eventos, mas no meio do processo ele perdeu o controle, foi atingido por algo, não sabia ao certo e acabou parando ali, 4989 anos no passado; no ano de 2011. Estava muito longe de casa e não sabia como voltar.
_ Esses dados não podem estar corretos guardião._ afirmou a voz no comunicador.
_ São os dados que disponho aqui senhor.
_ Ninguém nunca voltou tantos anos assim. Está me dizendo que você voltou mais de quatro mil anos.
_ Sim senhor.
_ Informe sobre o ambiente.
_ Local aparentemente desabitado; algumas casas parcialmente destruídas, muitas árvores ao redor, o lugar é cercado por montanhas. Meu rastreador está funcionando com dificuldades, não sei se estou sozinho ou se há mais pessoas aqui.
A comunicação falhou e retornou em seguida:
_ Estamos triangulando sua posição no tempo-espaço; vai levar alguns minutos. Siga o protocolo.
O protocolo mandava que o ocupante do traje fizesse a checagem de todos os componentes de sua unidade. Ele acionou o sistema de checagem e aguardou; a voz no comunicador desapareceu por um momento e o vácuo que se fez deixou o guardião ansioso.
A checagem foi concluída e o traje retornou a seguinte mensagem sendo projetada no visor ocular e anunciada nos fones do capacete:
-- Todos os sistemas comprometidos, funcionando com um quarto da capacidade.
Vinte e cinco por cento da força, não era o suficiente para fazer a viagem de volta nem se ele tivesse voltado apenas os três anos que eram o plano original, quanto mais cobrir toda aquela distância.
O traje continuou o relatório:
-- Falha na passagem...
Um som conhecido apareceu e as luzes interiores de emergência se acionaram rapidamente.
-- Alerta de proximidade! _ Anunciou o traje quando alguma coisa entrou na área de varredura.
Ele olhou novamente ao redor; os computadores do traje estavam rastreando as imediações e acusando algo que não era comum ao ambiente. Um segundo sinal de alerta disparou, este muito mais emblemático que o primeiro.
-- Alerta de proximidade!...
--...Guardião detectado...
A voz no comunicador retornou com outra mensagem:
_ Você não está sozinho aí Ariel; há outro guardião indo em rota de interceptação a você.
O traje informou:
-- interceptação em...; Dez, nove, oito, sete... a contagem se interrompeu.
Ariel estava sentindo um defeito na parte inferior do seu traje guardião, a perna não estava respondendo de modo funcional, mas aquilo não deveria representar problema algum, afinal, outro guardião era um colega de combate, exceto se.
Ariel ordenou ao traje que se prepare-se para um confronto.
_ Modo de guerra!
--Detectada assinatura hostil; guardião 7000/01.
A voz no comando através do comunicador disse:
_ Não entre em batalha; repito, não entre em batalha. Sua quantidade de energia não é o suficiente para sustentar uma ação de combate e voltar ao nosso tempo. Você pode ficar preso no ano de 2011.
O traje começou sua mutação.
De todos os guardiões que faziam o salto no tempo, o 7000/01 foi considerado como o melhor; por isso recebeu a extensão numérica 01. Ariel vinha logo em seguida com a extensão 02, mas eles eram de épocas muito diferentes. Segundo se dizia, o guardião 7000/01 além de ser o melhor viajante espaço-temporal já criado; era também renegado. Alguns diziam que ele havia desaparecido anos antes de Ariel ingressar no projeto.
As lendas rezavam que ele vagava pelo tempo-espaço interceptando e matando todos os viajantes, mas agora as mesmas lendas seriam colocadas à prova.
_ Controle. Acabo de detectar a assinatura do guardião 01.
_ Isso é impossível. Não existe guardião zero um.
O traje reiniciou a contagem repentinamente:
-- interceptação em cinco, quatro...
_ Se ele não existe como sua assinatura está registrada em meu banco de dados?
-- ...dois, um...
Não ouve resposta do comando, a comunicação fora cortada.
Por fim o traje anunciou:
Ativando o modo e guerra.
Ariel assumiu o controle mesmo com todos os defeitos e avarias.
Um estrondo, uma luz ofuscante e...
02
Edílson tinha um fusca bege e uma luneta; estava olhando para o céu em busca de estrelas cadentes, e obviamente também de objetos voadores não identificados; o carro estava estacionado na beira da estrada com a porta aberta, não passava nenhum outro veículo àquela hora, mas provavelmente outros aficionados por ufologia estivessem espalhados nas proximidades cada qual querendo descobrir algo diferente que lhes valesse uma entrada nos círculos mais conhecidos de seus estudos e pesquisas.
Ele escolheu aquele lugar por dois motivos, primeiro porque tinha familiares em um município próximo e segundo, aquele local era perfeito para a observação dos corpos celestes e de outras coisas que no entendimento de Edílson só poderiam se enquadrar na categoria seres inteligentes e extraterrestres.
Durante aquela noite ele não tinha catalogado absolutamente nada, nenhuma estrela cadente, nenhuma luz se movendo de forma estranha no céu, mas de repente ouviu um som pesado e uma luz espocou ao longe, próximo de uma antiga vila abandonada. O lugar onde Edílson estava ficava numa espécie de ribanceira e a vila era ladeira abaixo.
Sua primeira reação foi olhar novamente na luneta; não tinha nada lá em cima; o céu continuava do mesmo jeito. Mas ele sabia que algo tinha acontecido lá em baixo perto das casas abandonadas; ele não pensava em outra coisa que não fosse ter uma experiência ufológica e não podia arriscar deixar outro dos caçadores de ufo em meio período, que provavelmente estavam espalhados nas imediações, verificar o que tinha sido aquilo antes dele.
Desceu correndo a ladeira e até esqueceu que o seu carro estava com a porta aberta e sua luneta preciosa estava armada; se fosse roubado nunca ia se perdoar, mas o que estava em jogo ali era muito mais do que ele podia imaginar. Enquanto corria ele pode ver que na região lá em baixo alguma coisa estava de fato acontecendo.
A grama rasteira tinha se aberto num grande círculo e estava queimada; no centro do círculo havia um homem, na verdade parecia uma máquina; na verdade parecia uma mistura entre um homem e máquina, uma espécie de humanoide.
A criatura se ergueu e passou a mãos sobre uma das pernas, em seguida ficou de pé, olhou ao redor e aquilo foi o suficiente para Edílson se deter e ficar parado onde estava.
Era claro que se tratava de um visitante extraterrestre, Edílson não tinha dúvidas; a criatura era esquia alta cinza e sem rosto, na verdade a cabeça parecia possuir um visor no lugar da face; era como um vidro espelhado e escuro, o que o fazia destoar da tonalidade cinza de todo o resto do corpo.
O coração de Edílson disparou. Estava terrivelmente amedrontado, mas o entusiasmo era maior.
O alienígena ficou parado, completamente imóvel por um tempo enquanto Edílson procurava um ângulo que lhe desse uma melhor visão da criatura. Odiou-se por não ter ali uma câmera de vídeo ou uma máquina fotográfica digital.
Passou a mão no bolso da calça e retirou o telefone celular que embora fosse muito bom certamente não ia tirar boas fotos com tanta ausência de luz, mas não tinha escolha e tentaria assim mesmo, afinal, meia evidência é melhor do que evidência nenhuma.
Edílson ficou em dúvida se filmava, embora a qualidade fosse baixa, ou se apenas fotografava.
Finalmente o humanoide se mexeu, levou a mão à altura da orelha, que ele não tinha; o rapaz pensou ter visto um brilho tênue azulado na face da criatura, mas podia ser apenas uma sensação enganosa.
Curioso, o jovem tentou dar a volta no lugar sem ser visto, correu por entre alguns arbustos que mal podiam escondê-lo, mas graças aos céus que podia se valer da falta de luz do ambiente. Parou e tirou uma foto com seu telefone, logo percebeu que sairia muito mais escura do que ele podia imaginar, mas não importava.
Olhou ao redor procurando outros entusiastas da ufologia que podiam ter se dirigido para lá também, não viu ninguém. Tirou mais uma foto e começou a rodear o humanoide novamente; este ainda parado.
De repente o homem máquina começou a fazer um barulho estranho, como se estivesse aquecendo turbinas de avião, nas costas da criatura, de fato, jatos prolongados de gás ou ar quente estavam sendo projetados em direção ao solo. Edílson tirou novas fotos, a felicidade era incontida, mas a ansiedade para saber do que se tratava aquilo e o temor por estar lidando com o que poderia ser algo sem precedentes na história estavam levando o rapaz a um estado de quase êxtase.
O humanoide começou uma espécie de metamorfose; sem mais nem menos placas do que parecia ser metal surgiram de orifícios que Edílson nem tinha percebido que existiam.
Um som como o de avião surgiu e aumentava gradativamente, mas não vinha daquele homem-máquina e sim de cima. Ao olhar para o alto, o rapaz viu o que parecia ser outro como aquele e vinha do céu em uma velocidade alucinante.
O humanoide havia se modificado quase que completamente, agora havia uma espécie de armadura metálica rebrilhante com pontos incandescentes em diversas partes dele.
Edílson se deu conta de que o que quer que fosse acontecer ali já não era mais algo seguro e tentou correr, mas foi surpreendido por um som tão poderosamente brutal que o jogou no chão; a luz que veio em seguida era ofuscante e Edílson teve de proteger os olhos com as mãos. Quando a luminosidade diminuiu um pouco o jovem teve uma visão perturbadora.
Aquela criatura estava se digladiando brutalmente com o outro humanoide, este ao invés de cinza era negro com pontos brilhantes em vermelho vivo como se magma corresse por dentro daquela fuselagem estranha e extraterrestre.
O som de metal contra metal e as faíscas que eram produzidas pela batalha estavam lançando fogo em todo o entorno; ao mesmo tempo em que garranchos elétricos como relâmpagos chicoteavam o ar ao redor consumindo a vegetação rasteira. Os dois estavam envoltos numa grande bola de luz multicolorida, uma espécie de campo eletromagnético, como aquelas lâmpadas de plasma; que se expandia cada vez mais e em seguida simplesmente desapareceu.
Silêncio completo.
Edílson estava deitado no chão com as costas contra o solo frio, os olhos ardendo o coração a ponto de sair pela boca. Ele se pôs sentado, havia um círculo de fogo ainda maior onde segundos antes a briga entre aqueles dois tinha desaparecido; checou o celular que estava caído um metro longe dele, devia tê-lo lançado quando caiu. O telefone estava totalmente inutilizado queimado.
Aquele jovem estava agora tentando digerir tudo o que tinha visto, não sabia ao certo se tinha acabado de presenciar um espécie de guerra entre seres extraterrestres ou se eles eram algum tipo de demônios. Estava inclinado a crer na primeira opção, afinal de contas demônios não usavam armaduras e segundo suas convicções até mesmo os demônios eram seres extra-planetares que em algum momento da história visitaram a terra e passaram a fazer parte da literatura humana por intermédio da igreja que na época era a única instituição suficientemente instruída para fazer um registro histórico dessa grandeza, porém com o avanço das ciências e as descobertas ufológicas através dos anos não havia mais, segundo Edílson, motivos para os homens dar crédito a todos os relatos antigos.
Muitas perguntas ficaram sem resposta, como o fato de eles terem sido arrebatados bem diante de sua vista como se fossem tele-transportados de volta para seu lugar de origem ou para alguma outra zona perdida.
Infelizmente Edílson ficou sem nenhuma prova dos fatos que tinha presenciado e se contasse aquilo para qualquer pessoa, não receberia o crédito como se pudesse provar com as fotos; logo desvirtuariam os fatos atribuindo as únicas evidências daquela batalha, as queimaduras circulares no chão, à farsa ou se tivesse sorte algum fenômeno espontâneo da natureza.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como planejar escrever um livro.

Muitas pessoas com quem converso falam que gostariam de escrever algum tipo de romance, seja de terror, suspense, aventura, ficção científica etc... Essas pessoas chegam até a falar todo o conceito do livro, ou seja, contam de forma reduzida as bases de sua trama, mas nunca  escrevem realmente. Durante algum tempo isso também aconteceu comigo, mas consegui resolver esse pequeno problema de uma forma bastante simples que vou passar para vocês. Eu desenvolvi uma espécie de método que funcionou muito bem para mim e que certamente vai ajudar qualquer pessoa que tenha o desejo de escrever um romance, seja do gênero que for, eu utilizei este método para escrever meus três romances: "Érebus", Cruz de Fogo" e "Noites sem Lua". Também estou usando para escrever meus próximos livros "Nyx", "Hellius" e "Caos"; e você vai usar para escrever o seu também.

Antes de iniciarmos no passo a passo para a construção do livro é preciso dizer que você…

Uma vida a menos

Yago e Luis estavam sentados embaixo de uma marquise improvisada com telhas sobre duas vigas de madeira. Ele passaram praticamente quatro horas conversando uma série de bobagens sem sentido, falavam de seus personagens favoritos dos desenhos da televisão e não notaram o passar das horas. Era uma noite daquelas que se configuram depois de uma chuva forte de verão, o mês, Janeiro. O ar estava puro e parecia limpo; o cheiro da rua de paralelepípedos molhados entrava por suas narinas como um aroma agradável e bucólico desenvolvido por algum mestre perfumista. _ Já passa das dez horas._ Disse Yago ao amigo. _Pois é, não tem ninguém na rua, só nós._ respondeu o outro. A verdade era que a rua na qual moravam tinha uma fama ancestral, muitos na redondeza costumavam dizer que coisas estranhas ocorriam de repente e sem a menor explicação aparente. Por vezes eles mesmos já haviam presenciado algum tipo de manifestação estranha, pás pelo fato de serem apenas duas crianças, tais fenômenos eram soterra…

Como criar um bom título para seu livro

A coisa que os escritores mais gostam de fazer é escrever, logo, uma das tarefas mais complicadas para eles é criar um nome para sua obra. Desenvolver um título que concentre as características e o potencial que seu livro possui será um exercício que exigirá poder de síntese, algo que muitos romancistas não possuem.
É bem verdade que muitos autores começam a escrever já com um título para seus livros na cabeça e se este for o seu caso, parabéns, pois isto lhe poupará algum trabalho. Por outro lado, muitas vezes também, o título escolhido antecipadamente não reflete o que há na trama. Só para citar como um exemplo prático; quando eu estava escrevendo meu terceiro romance, iniciei o projeto com a idea de chamar o livro de "Fantasias do mal", durante o processo de escrita percebi que aquele nome não captava a dimensão de tudo o que a trama tinha; abandonei o nome inicial e após terminar de escrever todo o livro fiz uma pequena pesquisa e cheguei à conclusão de que o nome mais …